O Retorno

10363878_10201972573876310_7194358521769204909_n

Pois é galera, depois de um tempo, tudo volta ao normal, ou pelo menos tende a ser normal, se bem que de perto ninguém é normal! Enfim que retornei aos nossos textos semanais aqui pela Sociedade Automotiva e confesso que estava sentindo falta.

O motivo da ausência foi que por vezes precisamos dar alguns passos em nossas vidas e eu após alguns anos de namoro, resolvi dar o passo seguinte. Agora que já entramos no ritmo, as coisas da casa estão ajeitadas e em ordem, novamente sobrou um tempinho para digitar algumas linhas. A grande vantagem é que nesse meio tempo sobraram histórias para contar e vou tentar manter uma cronologia para chegar até nos dias de hoje, texto após texto.

Obviamente esse é um espaço de Rock and Roll e carros, motos, utilitários, moto e bicicletas, balsas, veículos militares, protótipos, ou seja, tudo que envolve o mundo automotivo. Pois bem, começamos falando de carro então.

Muitos que me conhecem sabem que o meu carro é um Maverick Super Luxo 1976 que recentemente (num processo de praticamente três anos) restaurei, porém alguns ajustes ainda precisavam ser feitos nele para rodar sem nenhum problema. O maior problema era a água que entrava no carro, nos pés do carona, mas isso foi resolvido pelo restaurador do carro, só que a coisa levou um bom tempo e aí o carro só foi entregue no dia do casamento, seria mais uma aventura a bordo do Maverick.

10383084_10201972574156317_8000621210103798341_n

No dia marcado, meu grande amigo Cride veio buscar o carro para lavar e levar a noiva para o casamento. É engraçado como as coisas acontecem, aos oito anos de idade eu falei ao meu pai que teria um Maverick, eu segurava uma folha de revista na mão, nela apareciam emparelhados dois Maverick, um era um GT V8 branco e preto e ao lado um Super Luxo dourado, ambos ainda da primeira série (até 1976), curiosamente quanto o pai me pediu o qual dos dois eu respondi que era o dourado e vejam só, aos 21 anos eu comprei ele, era um oito de abril de chuva, mas era o mesmo modelo daquela folha de revista.

Esse carro me deu muitas alegrias, várias histórias, inúmeros amigos e foi ele que levou minha hoje esposa para a igreja. Obviamente seria ele que nos levaria para a lua de mel. Não precisava ter chuva em 80% do percurso, nem buracos na estrada, ou melhor, na BR (que esse governo insiste em não arrumar comendo pela perna o trabalhador em impostos mal aplicados), mas era a situação em que nos encontrávamos: em meio a chuva e com o carro sem ter sido testado antes, pois peguei ele no dia anterior e já saímos para viagem.

Mas estava tudo em ordem com o maveco e chegamos ao destino sem nenhum problema. Estacionei em frente ao hotel, fizemos a papelada, pegamos as chaves e então um dos funcionários do hotel se prontificou para levar o carro para a garagem, onde eu prontamente recusei educadamente e disse que eu mesmo faria isso, então subimos para guardar as malas. Ao voltar para a recepção peço para abrir a garagem e quando desço até o Maverick, eis que ali um pneu traseiro estava completamente murcho, furou em frente ao hotel (ou será que foi vingança do manobrista?!) e lá vou eu puxar macaco, chave de roda, estepe. Mas meu Maverick é valente, fez bonito na ida e na volta, o pneu não foi culpa dele de jeito nenhum.

Agora a história fica completa com o carro que eu sempre quis, restaurado, pronto e rodando, foi ele que levou a mulher que eu amo para a igreja e hoje ela é minha esposa, isso prova que o mundo dá voltas, ele gira meu amigo e quando você olhar para trás e ver tudo o que passou, o quanto gastou, as idas e vinda de ônibus, a distância do relacionamento, você vê que cada milímetro, cada centavo, cada segundo valeu a pena e no nascimento de um sorriso gerado pelas lembranças você renova as certezas e vê que tudo valeu a pena e com convicção afirma plenamente que faria tudo outra vez sem pestanejar.

12807_10201972573556302_7060685121666311168_n

 

Um FORD Abraço

 

P.S.: Se alguém aí se perguntou se eu esqueci do rock no texto, não, não esqueci não, só para constar: A saída da igreja foi ao som do RAULZITO

Anúncios

2 pensamentos sobre “O Retorno

  1. Parabéns pelo relato e pelo casamento.Também tenho um Super Luxo 1976.Vi que o seu está com a grade frontal do fase II.A propósito o meu também entra uma àguinha no pé do carona(bem pouco, só uns pingos), mas entra. Já procurei por tudo e não encontro por onde entra.Saberia me informar por onde esta água entrava no seu carro.Abraços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s